quarta-feira, 31 de julho de 2013

Ciganos não respeitam as leis francesas


Ciganos não respeitam as leis francesas
© EPA
Na França, com a falta de notícias no verão, a "questão cigana" tradicionalmente entra nas primeiras páginas dos jornais franceses. Neste ano o round dos debates foi iniciado pelo prefeito da cidade de Cholet (departamento de Eure-et-Loir), Gilles Bourdouleix. O prefeito foi ao acampamento de ciganos, que eles ergueram ilegalmente em território particular e pediu que saíssem. Começou uma discussão e como resultado o prefeito chegou a dizer: "Parece que Hitler não matou suficientes ciganos".

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Lourenço Marques, em torno da Praça 7 de Março





Um conto do 'paraíso perdido' - Malhangalene, anos 60/70



O Paraíso perdido - Uma singela homenagem a Moçambique


- Zé, ficas aqui na Pensão da Dona Cidália, que é da nossa aldeia lá de Trás-os-Montes, e é muito nossa amiga…

- Claro, Sr. Luís, o rapaz fica aqui muito bem, somos praticamente da mesma família…

Anoitecia calmamente naquele pacato bairro da Malhangalene, o horizonte  pintado  de  vermelho,  nem  uma  brisa  de  ar  naquele Outono de 1970… no ar, o aroma da terra seca e do capim que por ali havia nas bordas dos canteiros e dos quintais daquelas vivendas e prédios de dois andares que faziam o bairro parecer um pouco como as ruas de uma qualquer vila de Portugal.

Dois meses antes eu tinha voado pela primeira vez para regressar a Moçambique, após três anos em Portugal onde tinha feito o ciclo preparatório na Escola Industrial de Vila Real. A excitação de reencontrar a minha terra e os meus pais era enorme. Por muito que gostasse dos meus avós lá da aldeia, Moçambique era algo diferente... era outro mundo, e foi com enorme satisfação que voltei a sentir o chamamento da terra africana, que me corria nas veias… Moçambique tem um encanto especial nas suas gentes naturais misturadas com as gentes da Índia, da China, de Portugal, as influências árabes… o aroma das especiarias a espreitar a cada esquina, o cheiro da terra num dia de verão após uma trovoada…

Dias antes tínhamos viajado do Alto Changane onde os meus pais viviam, um local isolado no tempo e no espaço, mas belo, muito belo, e que tinha dois nomes, como muitas das localidades moçambicanas do  império  português;  ali  era  a  Vila  Gomes  da Costa,  com  direito  a  monumento  identificador  e  tudo,  mas  a verdade é que nem o Chefe de Posto lhe chamava assim. Para todos, era o Alto Changane, e pronto. Alto, porque o local é um mini planalto, Changane porque o rio escondido por ali passa... um rio que não se vê, mas quando aparece, no tempo das cheias, tem 15km de largura…
Mal cheguei, fiquei de imediato agarrado àquele lugar, e após tantos anos e tantas revoluções, ainda guardo no meu coração como um dos lugares do passado onde fui muito feliz. Ali cresci e me fiz homem, entre as idas e vindas de Lourenço Marques, onde estudava na Escola Industrial Mouzinho de Albuquerque.
Se a cativante cidade de cimento e acácias em flor era tudo excitação, mistério e novidade, no mato era o retorno ao sossego e ao total relaxamento, só possíveis em terras africanas. Tudo se passava em ritmo lento, os dias eram enormes mas nada chatos, “stress” era ainda uma palavra desconhecida por aqueles lugares. Era a minha África, a minha verdadeira natureza.

Aqui, era o 'Rossio' de Lourenço Marques

O cruzamento da Av. da República com a D. Luis, o Continental e o Scala


a esplanada do Continental

Usuários da Internet poderão acionar bomba nuclear - Notícias - Mundo insólito - Voz da Rússia


Usuários da Internet poderão acionar bomba nuclear - Notícias - Mundo insólito - Voz da Rússia

Na Internet, apareceu um site que permite modelar um bombardeamento nuclear e ver suas consequências nos mapas via satélite do Google
A aplicação web mostra convincentemente a potência da explosão e as consequências do emprego de uma ou outra bomba.
O simulador do “botão vermelho” chama-se NukeMap3D e, para poder funcionar, precisa de ser instalado no navegador o plugin Google Earth.

O usuário pode escolher o local da explosão, a potência da bomba (no anexo há uma lista de projéteis realmente existentes) e carregar no botão, para ver a área do território afetado. O NukeMap3D calcula também o número aproximado de vítimas e feridos, informa Vesti.Ru.
 O leque de bombas é enorme: desde as relativamente fracas até à AN602 soviética, de 71 megatons, batizada de “Tsar Bomba”, desenvolvida nos inícios da década de 1960 e testada na ilha de Nova Zemlia. A escala das destruições causadas por tais “monstros”, assombra. É melhor acionar o simulador escolhendo o local e o ponto de observação. Só assim poder-se-á imaginar a força de tais armas.
Leia mais: http://portuguese.ruvr.ru/news/2013_07_28/Bombardeamento-nuclear-ja-acessivel-para-cada-utente-da-Internet-1802/


domingo, 28 de julho de 2013

Os carros eléctricos de Lourenço Marques - fotos


do mesmo site anteriormente citado http://ehgarde.planetaclix.pt/mocambique/eletricos/tramlm.htm
transponho os links para as diversas galerias de fotos.

Ordenada como se de uma viagem de tramway se tratasse, clicando nas imagem reduzidas, surgirão as páginas onde aparecem as fotos em maiores dimensões e com as adequadas legendas. - Boa viagem!

Os carros eléctricos de Lourenço Marques - os 'xigurugurus'




As fotos que nos chegaram até hoje dos tramways de Lourenço Marques - felizmente em número considerável, o que nos ilustra razoavelmente bem a sua passagem pela cidade - mostram-nos, na sua maior parte, na baixa da cidade: entre a Pç. Azeredo, o terminus principal, e a Avenida 5 de Outubro, esta no topo norte da Avenida Aguiar.
Outras, mais esparsas, mostram principalmente as instalações fixas (carris e fio aéreo) pelo restante da cidade; aqui as imagens dos tramways são em muito menor número, principalmente para o seu lado ocidental.


*

Apesar de, em 1891, a Câmara Municipal aprovar a concessão de transportes urbanos por meio de vapor ou electricidade, podendo utilizar também a tracção animal, tal realidade não é concretizada e só em 1900 é que surgem acções no sentido de dotar Lourenço Marques de uma rede de transportes públicos movidos a eletricidade - à semelhança do que já existe no Porto e se instala em Lisboa, em Johannesburg, e noutras cidades evoluídas pelo mundo afora.

De facto, Lourenço Marques passa, nestes anos, por uma grande evolução - depois de ser elevada a vila em 1876, apenas se conserva nesse estatuto por 11 anos: em 10 de novembro de 1887 é elevada à condição de cidade e em 1898 passa a capital da Província de Moçambique. E em 1895 tem ligações ferroviárias regulares com a União Sul-Africana, aumentando o tráfego do seu já movimentado Porto, entretanto já um dos principais da África Austral. A cidade expande-se para norte e noroeste e apenas existem transportes privados e de características individuais: o rickshaw, por exemplo.

Depois de um processo algo sinuoso e muito pouco transparente, é apenas em 1903 que se realizam os trabalhos de assentamento de via (métrica), instalação da rede aérea (550V CC), construção da Estação Geradora de Energia Elétrica (875kW, a qual passa também a abastecer o Porto e os Caminhos de Ferro), etc., sob a égide da recém-criada, em Londres, The Delagoa Bay Development Corporation Limited. No final desse ano são feitas as primeiras experiências com os carros. Estes são fabricados também em Inglaterra, por G. F. Milnes e, à semelhança de outras encomendas feitas para redes de países com forte influência britânica, são construídos com dois andares, sendo o superior descoberto e destinados aos passageiros africanos e asiáticos. Porém, não há registos escritos desta configuração ter sido usada em Lourenço Marques.

A inauguração do sistema ocorre em 15 de Fevereiro de 1904 - e o serviço regular de passageiros começa às 7h00 da manhã do dia seguinte. Neste dia são vendidos 7000 bilhetes nos 5 carros que circulam ininterruptamente durante todo o dia, até à meia-noite. «Apesar do enorme movimento na cidade baixa, principalmente à noite e de todos se quererem aproveitar dos carros onde à tarde se tornava difícil o ingresso, não houve o mais pequeno incidente, sendo para louvar o serviço do pessoal que o dirige.», escreve o jornal local O Futuro na sua edição de 20 de Fevereiro.

sábado, 27 de julho de 2013

Somali pirates moving south - Daily News | News | IOL.co.za

Somali pirates moving south - Daily News | News | IOL.co.za

Somali pirates moving south - July 16 2013 at 08:58am
By DAILY NEWS REPORTER / ND Piracy BC

It was only a matter of time before Somali-based pirates and al-Qaeda made their way to South Africa, delegates at a maritime conference in Durban were told.

Herman van Niekerk, operations director of Maritime Risk Solutions, a private maritime security company involved in anti-piracy operations, said this yesterday at a Maritime Counter-Piracy Offensive Masterclass.

The conference was attended by anti-piracy experts, including delegates from Angola, Kenya, Ghana, Tanzania and Denmark.

“No one knows how long it will take, but it is going to happen.”

The masterclass, which aims to come up with anti-piracy solutions to send to the International Maritime Organisation, was told by counter-terrorism specialist, Dr Denise Bjorkman, that the money generated from piracy was used to fund terrorism and that the terrorism link was evolving.

“Al-Qaeda could piggy back on piracy activity and adopt piracy tactics to take a ship and sink it,” she said, adding that while al-Qaeda threatened an economic blockade off the Gulf of Aden, they lacked the capacity for now.

Somali piracy was probably the largest maritime threat since World War II, she said.

Van Niekerk said al-Qaeda was moving down the east coast of Africa. He suspected they would hide in Madagascar and get into Mozambique by befriending opposition party Renamo, unhappy with the ruling Frelimo.

“And they are then on our doorstep and the next thing is Kosi Bay,” he said.

Van Niekerk said the Somali pirates and al-Qaeda were “birds of a feather” and were connected at leadership, rather than operational level.

“They have cannon fodder,” he said.

Giving an insight into piracy countermeasures, Van Niekerk said one method of fortifying ships was to ring ships with razor wire.

“But you can’t come into Durban port with it on.”

Retired SA Navy Captain Johan Potgieter, a senior researcher in conflict management and peace-building division at the Institute For Security Studies, said while piracy was decreasing in East Africa, there was a “drastic” increase in West Africa.

He said in West Africa, instead of hijacking tankers and ransoming the crew, pirates hijacked tankers and stole the oil and let the tankers go. They also hijacked fishing trawlers and sold off the fish.

Potgieter said countries needed to share information and make brave decisions to protect what was theirs.

He believed South Africa needed more maritime aircraft as well as shore-based over-the-horizon maritime radar with a range of 250 nautical miles.

MISSA LUBA (lista de reprodução)

Filme moçambicano 'Virgem Margarida' - trailer

Daniel Roxo - O Fantasma da Floresta

Daniel Francisco Roxo


Phantom of the Forest/O Fantasma da Floresta
http://theywerebornwarriors.blogspot.pt/2013/01/daniel-francisco-roxo.html

Finche c'e guerra c'e speranza -Film completo italiano -Alberto Sordi

♫♥ Mocidade Portuguesa ♥♫

Rádio Clube de Moçambique

Angola, do outro lado do tempo